Um mundo mais colorido

Filme em cartaz mostra a força da nova geração de crianças índigos

Bons Fluidos

Um mundo mais colorido | <i>Crédito: Ique Esteves
Um mundo mais colorido | Crédito: Ique Esteves

“Que tipo de pais somos nós?”. Essa é uma das reflexões que traz o filme A Menina Índigo, escrito e dirigido por Wagner de Assis, em outubro, nos cinemas. O roteiro conta a história de Sofia, uma menina de sete anos que provoca um choque nas relações familiares, fazendo com que todos ao redor repensem suas vidas. A personagem representa uma nova geração,
chamada índigo, formada por crianças de potencial transformador. “Elas apresentam comportamentos novos, questionamentos sobre normalidade e um olhar espiritualizado para tudo. A
principal questão é como elas estão sendo educadas e preparadas para o mundo. Imagine desperdiçar tal potencial?”, diz Wagner. Segundo ele, recebem esse nome em função da cor azul de suas auras, apontada pela psicóloga americana Nancy Ann Tappe, na década de 1980.

28/11/2017 - 09:00

Conecte-se

Revista Bons Fluidos