Eles nos ajudam a encontrar um amor

Ao exercitarem cuidado e carinho diariamente, donos de animais sinalizam que também serão bons companheiros na vida a dois e acabam saindo em vantagem no campo da atração

Texto: Júlia Reis

Eles nos ajudam a encontrar um amor | <i>Crédito: AleksandarNakic / iStock
Eles nos ajudam a encontrar um amor | Crédito: AleksandarNakic / iStock
O vira-lata Marmita foi convidado de honra no primeiro encontro de Milena Castro e Uruatã Souza. Na verdade, ele se ofereceu para ir passear com ela e o cachorro
antes de irem juntos ao cinema – e ganhou pontos por isso. “Grande parte de continuarmos nos vendo foi porque ambos amamos cachorro”, conta ela. Em menos de um ano os dois se casaram e agora dividem um apartamento no Rio de Janeiro com o Marmita, que teve sua parcela de cupido na história.

Para quem gosta de animais, perceber o mesmo afeto e valor em um parceiro pode ser mais do que importante: determinante. Isso acontece não só pelo interesse em
comum mas porque o tratamento amoroso e cuidadoso com um cão ou gato tende a refletir como essa pessoa se comporta em outras relações.

Uma pesquisa realizada com solteiros no Canadá e no Reino Unido comprova isso: quase 80% das pessoas acreditam que a forma cuidadosa como alguém trata o
pet será parecida com o jeito de levar a vida a dois. O mesmo levantamento mostra ainda que apenas o fato de ter um animal de estimação torna alguém mais atraente para um relacionamento segundo 57% dos entrevistados. Além de uma dica para os solteiros e usuários de aplicativos de paquera, a informação ajuda a pensar como nossa parceria com os animais pode ser um filtro de como nos apresentamos ao mundo.

Embora não seja regra, quem gosta e cuida de animais carrega consigo um atestado de responsabilidade e dedicação, que por sua vez transmite segurança aos que
estão em volta. Para quem busca um potencial companheiro sério, é um belo cartão de visitas.

E, como hoje em dia a busca de um relacionamento amoroso nunca foi tão conectada, já existem aplicativos de celular para promover encontros entre os bichinhos – e, claro, seus tutores. Embora não especifiquem o objetivo amoroso, Tindog e Dogsapp, por exemplo, tornaram mais real do que nunca a cantada: “Esse cachorro tem telefone?”. Em vez de perguntar sobre o trabalho ou a família de alguém, os animais de estimação é que são pretexto para uma aproximação.

Foi assim com o empresário Vinícius Oliveira e sua atual esposa, Maricy Gattai. Em 2010 ela adotou Chandon, uma filhotinha que nasceu de surpresa, cria de uma cadela resgatada grávida da rua por Vinícius – a Lola. O contato por conta dos animais deu motivo para uma sequência de encontros e o início de uma história de
amor. “É uma primeira leitura da pessoa gostar de animais. É um primeiro ponto de afinidade bem forte”, explica Oliveira. O casal agora espera o nascimento do segundo filho – sim, na companhia das cadelas, também mãe e filha. E ele é para sempre grato por isso: “Eu dei uma família pra Lola e ela deu uma família pra mim”.

29/06/2017 - 11:08

Conecte-se

Revista Bons Fluidos