Memória musical

A cidade de Timbó abriga o Museu da Música, espaço de arquitetura italiana com mais de 200 instrumentos históricos

Silvia Reali e Heitor Reali

Amantes da música e dança, os imigrantes construíram no início do século passado o Salão Hammermeister para abrigar bales e concertos familiares | <i>Crédito: Reprodução
Amantes da música e dança, os imigrantes construíram no início do século passado o Salão Hammermeister para abrigar bales e concertos familiares | Crédito: Reprodução

A bucólica Timbó, a 175 Km de Florianópolis, foi colonizada por alemães e italianos. Amantes da música e dança, os imigrantes construíram no início do século passado o Salão Hammermeister para abrigar bales e concertos familiares. A casa, de arquitetura italiana, com tijolos queimados de diferentes tonalidades, há pouco mais de um ano hospeda o Museu da Música. Nela, entre quase mil objetos do universo musical, estão mais de 200 instrumentos, de diferentes épocas – desde um belo violino barroco datado de 1770 e um alaúde de 1850 até instrumentos folclóricos com nomes esquisitos, como fidel, cromorne e guimbarda. 

24/04/2017 - 20:42

Conecte-se

Revista Bons Fluidos