Semeador da paz

Dissolver conflitos é a especialidade do líder espiritual indiano Sri Sri Ravi Shankar. Ele percorre o mundo ensinando as pessoas a cultivar a paz interior para, a partir dela, alcançarem uma convivência harmoniosa com os outros

Texto: Raphaela de Campos Mello

Sri Sri Ravi Shankar | <i>Crédito: Divulgação
Sri Sri Ravi Shankar | Crédito: Divulgação
Diversos povos em conflito encontram na figura do líder espiritual indiano Sri Sri Ravi Shankar a possibilidade palpável de restaurar a convivência pacífica em suas
pátrias. Como embaixador da paz, o guru media mesas de negociações e dissemina a mensagem da não violência em fóruns em todo o mundo. Mais de dez países puderam resolver suas arengas graças à intervenção do mestre. A conciliação mais recente mediada por ele culminou com o fim da disputa entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) – acordo assinado no final de novembro de 2016.

Shankar conversou com as duas partes do conflito colombiano em diferentes encontros e chegou até a conduzir sessões de meditação. Por fim, conseguiu plantar
no coração dos adversários a lição legada por Mahatma Gandhi. “A vingança do tipo olho por olho, dente por dente só tornaria o mundo cego”, ele declarou na ocasião.
Graças ao princípio da não agressão, uma guerra que se arrastou por mais de cinco décadas e provocou a morte de 250 mil pessoas deu lugar ao entendimento mútuo.
Na visão do indiano, uma guerra ou conflito começam quando existe quebra de comunicação. Por isso, é muito importante que os líderes políticos tenham atitudes
inclusivas e considerem os pontos de vista alheios, não se prendendo a uma única perspectiva. “Eles são tomadores de decisões. Por isso seu estado mental é decisivo. Se eles estiverem presos ao seu ego, os conflitos não se resolverão”, alerta o mestre. “Eles devem expandir sua mente e pensar nos benefícios de longo prazo ao invés dos ganhos políticos de curto prazo”, acrescenta.

Para esse porta-voz dos benefícios da meditação e da ioga, não há como conceber a harmonia exterior sem antes assentar a calmaria no plano íntimo. “Paz não é apenas a ausência de conflito ou derramamento de sangue; é um estado positivo que nutrimos internamente. É a mente livre de estresse que pode trazer paz à família, à sociedade, ao mundo.”

A alquimia funciona assim. Quando estamos serenos, criamos vibrações brandas ao nosso redor e, envoltos por essa atmosfera desarmada, conseguimos aprimorar
a comunicação em situações de conflito. “Quando agimos por impulso, sempre nos arrependemos dos nossos atos, ao passo que, quando estamos em paz, nos sentimos
estáveis”, ensina o guru.

Cada conciliação bem-sucedida é uma semente de entendimento que se soma a outra, fortalecendo a cultura da não violência nas mais diferentes esferas do viver.
Tanto melhor quando essa postura vem acompanhada por um notório sorriso. “Quando você sorri, todos os músculos da face relaxam, assim como os nervos do cérebro, e você se torna pacífico por dentro”, defende o indiano. Segundo Shankar, esse exercício simples deve ser feito todas as manhãs diante do espelho. Ele proporciona confiança, coragem e energia positiva para nos movermos na vida; ao que poderíamos acrescentar: semeando a paz onde estivermos.

Nascido em 1956 no sul da Índia, Sri Sri Ravi Shankar foi uma criança-prodígio. Aos 4 anos de idade, era capaz de recitar partes do Bhagavad Gita, a antiga escritura em sânscrito, e era frequentemente encontrado em meditação. Aos 17, graduou-se em literatura védica e em física. Em 1981, fundou a Arte de Viver, organização internacional, educacional e humanitária, sem fins lucrativos, dedicada ao autodesenvolvimento, ao serviço social e à promoção da cultura de paz por meio de técnicas de respiração, meditação e ioga. Seus programas têm elevado a qualidade de vida de participantes em 152 países.
Mais informações: artofliving.org/br-pt

27/06/2017 - 09:00

Conecte-se

Revista Bons Fluidos