Rim artificial filtra sangue e não sofre rejeição

Feito de células renais, o protótipo cumpre as funções do rim e as chances de rejeição são praticamente inexistentes; entenda

Letícia Gerola

O rim funciona como um perfeito órgão saudável, filtrando o sangue do corpo | <i>Crédito: Reprodução/UCSF
O rim funciona como um perfeito órgão saudável, filtrando o sangue do corpo | Crédito: Reprodução/UCSF

Além da difícil espera na fila por uma doação de um rim, após a cirurgia, tratamentos e medicações compõe o processo para que o corpo não rejeite o novo órgão. Pensando nisso, cientistas da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram um rim artificial que promete ser uma solução definitiva para pacientes com doenças renais que necessitam do transplante.
                O grupo de pesquisadores desenvolveu um órgão feito de filtros de silício e células vivas, atribuindo características bioartificiais ao protótipo, que funciona através de microchips que recebem a energia dos batimentos cardíacos. O rim funciona como um perfeito órgão saudável, filtrando o sangue do corpo. Feito a partir de células renais, a chance de rejeição é praticamente nula. “Este projeto cria uma solução permanente para o problema de escassez no transplante de órgãos. Estamos aumentando as opções para pessoas com doença renal crônica, que de outra forma seriam forçadas à diálise “,disse William Fissell.
                O Instituto Nacional de Biomedical Imaging e Bioengenharia (NIBIB) realizou uma doação de U$ 6 milhões para viabilizar o estudo e desenvolvimento do rim mecânico. Segundo projeções, no prazo de dois anos o órgão estará disponível para comercialização. 

10/04/2017 - 16:04

Conecte-se

Revista Bons Fluidos