Projeto promove aulas de balé no Quênia

Leveza e disciplina: crianças e adolescentes afastam mesas e cadeiras nas escolas de chão de terra batida para poder ensaiar

Redação Bons Fluidos

Dentro das precárias salas de aula, os jovens estudantes afastam mesas e cadeiras, varrem o chão de terra batida e organizam a sala antes de ensaiar | <i>Crédito: Frederik Lerneryd
Dentro das precárias salas de aula, os jovens estudantes afastam mesas e cadeiras, varrem o chão de terra batida e organizam a sala antes de ensaiar | Crédito: Frederik Lerneryd

O balé no Quênia envolve crianças e adolescentes na dança em uma das regiões mais pobres do mundo. Além de melhoras a saúde e a motivação, a iniciativa abre portas para possíveis oportunidades no mundo do balé.

            A leveza misturada com disciplina chegou até Kibera, em Nairóbi, uma das maiores favelas urbanas da África, através da Anno’s Africa, programa que leva atividades do meio artístico em pontos de pobreza. Circo, música, artes, teatro, escrita criativa e danças estão inclusas nas disciplinas que ajudam a transformar a realidade de meninos e meninas carentes.
  Todos os anos, voluntários fazem dois meses de aulas intensivas para de balé para poderem passar os conhecimentos adiante. “A emoção e a confiança que as oficinas e as aulas seguintes trazem para as crianças a medida em que descobrem seus talentos não só lhes dá um enorme prazer, mas também promove a descoberta de uma nova autoestima que irá ajudá-los em seu caminho para a vida adulta, explica o site do projeto. 
  Dentro das precárias salas de aula, os jovens estudantes afastam mesas e cadeiras, varrem o chão de terra batida e organizam a sala antes de começar a rotina escolar, para poder ensaiar os delicados passos do balé clássico. Os bailarinos aprendizes vestem roupas coloridas e vibrantes que contrastam com o ambiente monocromático. Alguns estudantes acabam selecionados para uma escola fora de Kibera, para desenvolverem suas habilidades. Confira as fotos registradas pelo fotojornalista sueco Frederik Lerneryd:

08/05/2017 - 15:55

Conecte-se

Revista Bons Fluidos