Perdoar também liberta

Muito mais do que desculpar as pessoas, o perdão é um compromisso consigo mesmo de superar uma situação

Bons Fluidos Digital

A filósofa Dulce Critelli diz que projetos não realizados podem ser um entrave para o encontro de si mesmo | <i>Crédito: iStock
A filósofa Dulce Critelli diz que projetos não realizados podem ser um entrave para o encontro de si mesmo | Crédito: iStock
“O perdão não significa apenas desculpar pessoas que nos causaram mal ou circunstâncias desfavoráveis que impediram nosso sucesso. Trata-se, principalmente, de assumir o compromisso consigo mesmo de superar a situação e não se tornar prisioneiro do que aconteceu”, explica a psicóloga Andrea Vaz. E o apego ao passado atrasa a vida. “Alimentar ressentimentos rouba a força vital”, completa a psicodramatista Milene Féo.
                O massagista Edgar Mattos, 38 anos, de São Paulo, confirma: “Eu culpava meus pais por não terem me incentivado a levar a música a sério quando era menino. Tinha a fantasia de um destino brilhante como guitarrista. Então caiu a ficha de que, se quisesse mesmo, teria dado um jeito, qualquer que fosse, de superar o desestímulo e seguir meu coração. Hoje já penso que poderia ter sido um músico medíocre e não seria tão feliz como sou. Detalhe: continuo tocando como hobby”.
                A filósofa Dulce Critelli diz que projetos não realizados podem ser um entrave para o encontro de si mesmo, mas isso não é uma sina. “Há um meio de reverter esse gosto amargo de fracasso: o perdão. Ou seja, assumindo de vez que aquilo já não faz mais sentido na vida ou indo à luta para recuperar o tempo perdido”. 

17/05/2017 - 16:08

Conecte-se

Revista Bons Fluidos