Amor incondicional

As lentes de Elena Shumilova se deixam guiar pelo instante em que há uma troca genuína de carinho. O que acontece com frequência na amizade entre crianças e animais

Texto: Kátia Stringueto | Fotos: Elena Shumilova

Tão bonito quanto em uma pintura | <i>Crédito: Elena Shumilova
Tão bonito quanto em uma pintura | Crédito: Elena Shumilova

Imagens um tanto selvagens, um tanto oníricas, envolvidas por uma atmosfera de luz como se tivessem recebido uma pincelada de tinta dourada por puro capricho de sua criadora. A escolha dos personagens, assumidamente maternal. A fotografia virou paixão para Elena Shumilova cinco anos atrás, quando estava grávida do segundo filho. “Queria dar um
tempo nas minhas atividades habituais para curtir o período e deixar essa sensibilidade que estava tão à flor da pele ganhar expressão”, conta.

Crianças e seus amigos de quatro patas, às vezes, duas, com bicos e penas – nem sempre pets como os conhecemos, mas irremediavelmente estimados – começaram, então, a povoar seu enquadramento. “Tento transmitir a aura pacífica e de amor incondicional que circunda esses personagens. Mas o que define um clique é quando eu vejo uma criança com bondade em seus olhos. Isso é arrebatador para mim”, diz a fotógrafa. Quando isso acontece, fica registrado; tão bonito quanto uma pintura.

Formada em artes plásticas e arquitetura, a moscovita Elena, de 35 anos, parece inspirar-se em Vermeer, o pintor holandês do século XVII que iluminava as horas de vida mais cotidianas como se fossem as mais nobres. Não à toa foi conhecido como o pintor da luz. Mas esqueça a referência artística e fique só com a da ternura. Por onde Elena viajou fotografando (Europa, Ásia, Nova Zelândia e América do Sul), ela se repete nos infinitos encontros de meninos e meninas com gatos, patos e outros animais menos comuns como uma coruja. Um abraço apertado no patinho da fazenda ou na galinha ou ainda um passeio com ares de troca de confidências ao lado de um ganso podem parecer coisa de contos de fadas. Nos registros de Elena, esses contos ganham vida. E, com isso, tocam a nossa.

 

31/10/2017 - 09:00

Conecte-se

Revista Bons Fluidos