Yogananda, líder que uniu meditação, preces e kryiaioga

Iniciou sua missão fundando uma escola para meninos, onde aliava métodos educacionais aos ensinamentos e à instrução de ioga

Bons Fluidos Digital

Frente a entusiasmadas platéias, recebeu inúmeros convites para palestras em várias cidades americanas. | <i>Crédito: Reprodução
Frente a entusiasmadas platéias, recebeu inúmeros convites para palestras em várias cidades americanas. | Crédito: Reprodução

Mukunda Lal Gosh, o guru indiano Paramahansa Yogananda, nasceu em Gorakpur, na Índia, em 5 de janeiro de 1893. De família de classe alta, obteve seus ensinamentos dos grandes mestres da época. Quando viu o menino pela primeira vez, Mahavatar Babaji, então principal mentor na linhagem de mestres da kriya-yoga, disse a sua mãe: “Seu filho será um grande iogue. Como uma locomotiva espiritual, conduzirá muitas almas ao reino de Deus”. Em 1915, Mukunda tornou-se um monge da Ordem Swami e teve o privilégio de escolher seu nome religioso – Yogananda. Iniciou sua missão fundando uma escola para meninos, em 1917, onde aliava modernos métodos educacionais aos ensinamentos espirituais e à instrução de ioga. Três anos depois, viajou aos Estados Unidos para participar de um congresso internacional de lideranças religiosas em Boston, onde falou sobre os alicerces de suas ideias, que uniam meditação, preces e práticas da kryiaioga.
                Frente a entusiasmadas platéias, recebeu inúmeros convites para palestras em várias cidades americanas. Alguns meses depois, Yogananda fundou a Self-Realization Fellowship (Fraternidade da Auto-Realização), para divulgar conceitos sobre educação, ioga e meditação. Estabelecido na Califórnia, em 1924, passou os 30 anos seguintes divulgando de forma incansável suas idéias pelo mundo todo. Yogananda acreditava que a comunhão com Deus é o grande anseio do ser humano. Por isso, o pensamento do mestre foi profundamente marcado pelo desejo de união entre as religiões e as tradições espirituais. Seu livro Autobiografia de um Iogue, lançado em 1946, permanece até hoje um dos livros mais lidos e respeitados sobre as filosofias orientais. No dia 7 de março de 1952, morreu durante uma apresentação pública. Yogananda abandonou o corpo físico em estado de mahasamadhi – a comunhão espiritual com Deus no momento da morte. Foi velado durante quase um mês, sem dar nenhum sinal de decomposição.

 

PARA SABER MAIS

LIVROS

Autobiografia de um Iogue, de Paramahansa Yogananda

O Vinho do Místico, de Paramahansa Yogananda

No Santuário da Alma, de Paramahansa Yogananda

INTERNET

Paramahansa Yogananda

www.yogananda.com.br

23/06/2017 - 18:03

Conecte-se

Revista Bons Fluidos