Segunda da sabedoria: Hildegard de Bingen

Poetisa e compositora, a filósofa era o contato de papas, príncipes e reis em busca de auxílio espiritual; toda segunda, um guru para inspirar a sua semana

Bons Fluidos Digital

Aos 8 anos entrou para o mosteiro beneditino de São Disibod | <i>Crédito: Reprodução
Aos 8 anos entrou para o mosteiro beneditino de São Disibod | Crédito: Reprodução

Freira alemã, filósofa e visionária, foi uma das grandes figuras místicas da Idade Média. No século 12, pregou em igrejas e conventos e manteve assídua correspondência com papas, príncipes e reis, que recorreram a ela em busca de auxílio espiritual. Hildegard também foi poetisa e compositora e escreveu os dois únicos tratados medievais de ciência natural e médica, nos quais abordou as propriedades terapêuticas das ervas medicinais. Hildegard nasceu em 1098, em uma família nobre da cidade de Bermersheim, e aos 8 anos entrou para o mosteiro beneditino de São Disibod, do qual mais tarde se tornaria abadessa.
                Educada na clausura, aprendeu a ler e a escrever em latim. Mais tarde, essa instrução facilitaria suas relações com grandes figuras da época. Hildegard foi uma criança de saúde delicada e desde cedo começou a ter visões místicas, com anjos e raios de luz colorida. Apenas aos 43 anos, entretanto, tomou coragem para registrar e divulgar essas visões, com riqueza de detalhes, nos três volumes de Scivias (abreviatura de Scito vias Domini), escritos entre 1141 e 1151. Neles, a freira, que afirmava ser apenas o veículo para as revelações divinas, discorria sobre a relação entre a humanidade, a natureza e o Cosmo em expansão. Reconhecida como conselheira e terapeuta, Hildegard trocou centenas de cartas com personalidades da época, incluindo o imperador alemão. Por meio de Bernard de Clairvaux, eminente religioso, fundador da ordem cisteciense, os manuscritos de Scivias chegaram ao papa Eugênio III, que endossou os textos e as visões da freira.
  Ao longo dos 25 anos seguintes, Hildegard produziu uma extensa obra, em que figuraram outros livros sobre visões e profecias, mais de 70 canções litúrgicas e o primeiro tratado de moral, Ordo Virttem, sobre a eterna batalha entre o bem e o mal. Nos livros Physica e Causae et Curae, debruçou-se sobre o uso terapêutico de plantas. Enérgica e independente, em seu último ano de vida Hildegard de Bingen sofreu um duro golpe. Depois de sepultar no cemitério de seu convento um nobre cavaleiro excomungado pela Igreja, foi obrigada pelos bispos a desenterrar o corpo. Sua recusa, sob a alegação de que o jovem havia confessado seus pecados, provocou a interdição do convento. Seus direitos foram restaurados apenas alguns meses antes de sua morte, aos 81 anos, em setembro de 1179.

PARA SABER MAIS

LIVROS

Hildegard de Bingen – A Consciência Inspirada do Século XII

16/02/2017 - 20:53

Conecte-se

Revista Bons Fluidos