Casa e autoestima

Reformar moradias de baixa renda tem um impacto muito maior do que melhorias no ambiente: devolve a autoconfi ança de seus moradores. Mérito do Programa Vivenda

Texto: Raphaela de Campos Mello

FERNANDO ASSAD | <i>Crédito: Divulgação
FERNANDO ASSAD | Crédito: Divulgação

1: Quantos brasileiros vivem em condições insalubres?

Dados oficiais falam em cerca de 11 milhões de moradias inadequadas, o que significa cerca de 40 milhões de brasileiros vivendo em condições insalubres. Mas a inadequação pode ser ainda maior porque o levantamento não abrange casas sem janela ou com muita umidade. Queremos minimizar isso. Além da loja do Jardim São Luiz, na zona sul, abrimos uma segunda unidade na zona leste da capital para atender a população.

2: De que maneira a reforma impacta  a vida do morador?

Além de abrigo físico, a casa é abrigo psicológico. Uma reforma aumenta a autoestima do morador. Da tristeza e da vergonha, passa-se para a satisfação. Uma pesquisa que a FGV fez do nosso trabalho mostrou que as clientes (90% são mulheres) relataram que a relação com a família melhora, sentem mais autoconfiança numa entrevista de emprego e há mais disposição para o trabalho (um quarto ventilado e sem umidade beneficia o sono).

3: Por que o programa decidiu abarcar o auxílio financeiro?

É muito difícil um morador de baixa renda conseguir crédito para reforma, pois a área onde ele mora não é regularizada. Fazemos uma análise das condições dos clientes e debatemos
com eles as possibilidades. Oferecemos parcelamento em até 30 vezes, o que faz com que as parcelas girem em torno de R$ 200, facilitando o acesso. Sem falar que uma reforma eficiente, planejada por um arquiteto, gera economia, uma vez que elimina desperdícios.

FERNANDO ASSAD e os sócios, Marcelo Coelho e Igiano Lima, criaram em 2014 um modelo de reformas direcionadas à periferia de São Paulo. A iniciativa possibilita repaginar um cômodo em até 15 dias ao custo de R$ 5 mil. O pacote inclui planejamento, material, mão de obra e crédito. Em três anos, eles realizaram mais de 600 intervenções, deixando 1200 pessoas orgulhosas.

24/11/2017 - 09:23

Conecte-se

Revista Bons Fluidos