Que astrologia é a sua?

Horária, eletiva, natal, mundial, dos sete raios... Poucas pessoas sabem que existem diferentes ramos dessa arte que relaciona a vida na Terra com o céu

Texto: Oscar Quiroga

Oscar Quiroga | <i>Crédito: Claus Lehmann
Oscar Quiroga | Crédito: Claus Lehmann
A astrologia se baseia em uma matemática que permite relacionar eventos aqui na Terra com o sistema solar. A partir desse cálculo se chega ao mapa que identifica a exata posição dos planetas na hora em que tal acontecimento se deu. E sobre essa “fotografia” iniciam-se as devidas interpretações que fazem a delícia tanto dos profissionais que traduzem esses dados quanto de quem se aventura a ouvi-los.

O que pouca gente sabe é que a astrologia tem diferentes ramos de especialização. Talvez a mais técnica seja a que se denomina astrologia horária – diferente da natal, que analisa toda a vida da pessoa, essa funciona como método oracular; isto é, você faz uma pergunta ao astrólogo e ele interpreta o que os astros dizem com cálculos baseados no horário exato em que a pergunta foi feita (Vou encontrar o grande amor da minha vida este ano? Este é um bom momento para assinar o contrato de compra da minha casa?). 

Na Antiguidade, mais do que conhecer o caráter de uma pessoa, importante era adivinhar, por exemplo, se o inimigo que avançava estava bem munido de provisões. Justamente por isso, a astrologia horária cresceu junto com outra especialização, a astrologia eletiva, que se dedica a descobrir os dias mais apropriados para certos eventos, como casamento, abertura de empresa, viagem. Essa especialização pode ser associada a outra que interpreta a situação dos países, chamada astrologia mundial.

A astrologia que conhecemos hoje, com foco nos indivíduos, é muito recente, data do final do século XIX. Essa interpretação, como as demais especializações astrológicas, também requer do profissional um conhecimento aprofundado. No caso, sobre a alma humana, de modo que suas interpretações possam orientar seu cliente. Como essa vertente se desenvolveu quase simultaneamente ao desenvolvimento do conhecimento psicológico, pareceu natural misturar os dois. 

Ao meu ver, não é muito saudável esse casamento, pois, enquanto a psicologia baseia todo o seu diagnóstico no estudo do passado do indivíduo (sua família, a influência do meio ambiente, traumas e alegrias experimentadas), a astrologia fala de uma possível conexão com algo maior, uma ordem que está no Cosmo e que é independente da família na qual nascemos. 

É deste último aspecto que trata a astrologia dos sete raios, talvez a mais desconhecida de todas, mas que é a praticada pelo astrólogo que aqui escreve. Por essa visão, somos indivíduos conectados com um complexo sistema de distribuição de vida, sejam galáxias, sistemas solares, reinos da natureza ou a própria humanidade. 

Há inúmeras outras especializações, todas muito importantes. No entanto, essencial é você compreender que um profissional de astrologia sério não está automaticamente autorizado a interpretar tudo que surgir à sua frente, que precisa se especializar e estudar continuamente aquilo que for do âmbito de sua especialização, para poder assim cumprir sua função de orientar.


28/07/2016 - 10:00

Conecte-se

Revista Bons Fluidos