A energia do dinheiro em equilíbrio

Podemos desenvolver uma relação mais saudável com a moeda, derrubando crenças que limitam nossa prosperidade e identificando quais são, de fato, nossos valores

Por: Nina Campos | Colaborou: Ligia Maciel (Associação Palas Athena) | Ilustrações: Julio Giraldes

A energia do dinheiro em equilíbrio | <i>Crédito: Julio Giraldes
A energia do dinheiro em equilíbrio | Crédito: Julio Giraldes
Todo mundo precisa de dinheiro. Mesmo monges que vivem em isolamento, mesmo pessoas que optaram por morar em comunidades autossustentáveis. A questão é como
lidamos com o metal, destaca a psicóloga Mônica Guttman, de São Paulo.

De acordo com ela, essa tarefa não é fácil, porque temos uma grande dificuldade de lidar com trocas e reconhecimento de valores. “Se pensarmos bem, o dinheiro foi criado como um símbolo da troca: eu te dou algo, você me dá algo em retribuição”, diz a especialista. “O problema é que a noção de troca foi se perdendo. Na era capitalista o dinheiro virou mais do que uma ferramenta para obtenção de bens. Tornou-se o grande objeto de desejo, a grande referência, um quase Deus.”

Além disso, passou a embutir projeções humanas. “O dinheiro em si, hoje, fala sobre o que as pessoas são e entendem da vida, nossas luzes e nossas sombras”, revela a terapeuta.

O que a forma de lidar com o dinheiro diz sobre você? Quem tende a acumular mais pode evidenciar um estado de competitividade – de querer estar sempre em primeiro lugar. Já aqueles que ficam felizes quando a moeda circula são colaborativos, enquanto os que doam tendem a refletir generosidade. Em um nível mais profundo, a relação com a moeda pode revelar ainda nossa afinidade ou não com a prosperidade.

É que, enquanto algumas pessoas lidam com o dinheiro como possibilidade conectada com o fluxo da abundância, outras acabam conectando-se com a moeda de forma nociva – da acumulação pura e simples, sem desfrute, como bem ilustra a figura do avarento. Quantas pessoas não passam a vida toda guardando, guardando e ficam amargas, incapazes de sentir o lado positivo de um recurso financeiro – ferramenta de realização dos nossos desejos, de nossa sobrevivência.

“Outro problema das pessoas gananciosas, que só trabalham pelo prazer de fazer crescer as cifras no banco, é que isso não tem ponto-final. Porque quanto mais se tem, mais se quer. É como um vício, uma projeção de poder”, explica a psicóloga.

Não deixa de ser uma distorção de imagem. Por isso, até como um meio de bem-estar, Mônica defende a importância de atribuir o valor adequado à moeda – sem menosprezá-la nem muito menos transformá-la em algo maior do que realmente é.

Identificar algumas crenças limitantes – de que a moeda é suja, não traz felicidade ou, pior ainda, de que não somos merecedores dela – é o primeiro passo para fazer as pazes com as finanças e atrair tudo que ela pode trazer de bom.

O segundo passo é ressignificar o conceito do que é dinheiro. “Associamos um valor emocional a ele por conta das imagens e significados subjetivos que carregamos. Por essa razão, às vezes podemos nos relacionar com a moeda de modo muito diferente do que ela representa de fato”, diz a terapeuta. “Esquecemos que se trata de um instrumento que possibilita a troca de energias. Daquilo que eu tenho por aquilo que você tem. Ou, mais ainda, que é uma consequência de estarmos colocando nossos
dons e talentos a serviço de algo.”

Contextualizado dessa forma, o dinheiro é a nobre recompensa pelo trabalho que executamos e que nos permite viver nessa sociedade.
Há ainda um terceiro e último ponto a destacar para que a moeda possa circular pela nossa vida com mais naturalidade: identificar o que projetamos de bom e de ruim nela.

Projeções embutidas Autoestima, capacidade de dar e receber, medo, culpa, recompensa afetiva. São muitas as luzes e sombras projetadas no vaivém financeiro. “Para algumas pessoas é comum linkar o dinheiro como alguma forma de manipulação nas relações familiares. Há pais que preferem pagar pelo afeto que não conseguem expressar para os filhos, maridos que pressionam esposas, e vice-versa. Essas pessoas acabam usando a moeda para compensar a dificuldade de prover outras coisas como, por exemplo, a presença física”, afirma Mônica.

Outro exemplo clássico é do pai que vai viajar e não pode levar a filha. “Como ele se sente culpado por deixá-la, cede à pressão que ela faz para aumentar a mesada e lhe dá uma soma maior mesmo sabendo ele que esse aumento vai prejudicar as finanças da família depois”, destaca Mônica.

Há também a desculpa da falta de dinheiro como meio de manter as coisas como estão, sem desafios, sem mudanças. “Conheço muitas histórias de filhos que sabotam sua vida profissional e financeira só para não sair da casa dos pais. Isso só reflete um medo muito grande de amadurecer e enfrentar o mundo de maneira independente”, ela ilustra. Na mesma esteira, é comum alguns casais continuarem presos ao casamento fracassado (quando o amor já não existe) usando os recursos financeiros
como justificativa para evitar a dor de uma separação.

“Tudo isso reflete a importância de ter autonomia em relação à própria vida. De ser dono de si e não se deixar dominar por nada, nem ninguém. Muito menos pelo dinheiro”, acentua Mônica. “Eu posso ter o controle do dinheiro, posso fazer do dinheiro um aliado da minha vida, e isso é muito bom. Mas, quando eu deixo o dinheiro
(ou a falta dele) me dominar, abro mão de algo muito maior. Perco minha autonomia, minha capacidade de fazer escolhas”, evidencia.

Nadando contra a corrente Segundo a psicóloga, em uma sociedade como a que vivemos – apoiada na possibilidade financeira, incluindo recursos coletivos, como saúde, educação e moradia –, essa relação com o dinheiro precisa migrar da toxicidade para uma convivência mais saudável para não infantilizar, escravizar e sabotar
o crescimento, como descrito nos casos anteriores.

Quando nos tornamos reféns do capital, nossa liberdade passa a ser cerceada e nossas escolhas ficam limitadas em vez de ampliadas. “Se por um lado o dinheiro possibilitou a construção, o desenvolvimento e a criação de bens fundamentais – como na área da tecnologia, por exemplo – muita destruição, sofrimento e subserviência também tiveram suas origens na ideia de lucro e do acúmulo de riquezas”, analisa. “Vivemos em uma cultura egoísta, e o dinheiro espelha isso.
Quem tem mais pode mais. Quem tem menos pode menos. Essa relação causa destrutividade, já que a completa ganância de alguns é a impossibilidade de outros”, critica. E completa: “Nossa relação com o dinheiro não deixa de ser parecida com um jogo. Só precisamos aprender a jogar de maneira mais justa, criativa e iluminada”.

Muitas vezes, a percepção de que tempo é dinheiro contribui ativamente para um universo ainda mais competitivo e nocivo. Dedicamos a maior parte do nosso tempo para trabalhar, poupar e acumular. E, com isso, esquecemos que vivemos também para ter momentos prazerosos, compartilhá-los com os amigos e a família, para conhecer pessoas e lugares... É importante ressaltar a necessidade de termos mais tempo para respirar no meio do frenesi. Para relaxar, descansar e criar. Deixando
um pouco de lado a fixação em relação ao ganho financeiro e, acima de tudo, refletindo sobre o papel que temos no mundo. “Quanto mais nós trabalhamos o autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal, melhor lidamos com os problemas e situações da vida. O dinheiro espelha muito esse conceito de prosperidade. Então, se eu sou alguém que tem uma boa autoestima, eu vou me relacionar com o dinheiro de forma mais confiante também”, ensina Mônica.

É possível fazer diferente Entre os dias 4 e 25 de maio, das 19h30 às 21h30, Mônica Guttmann ministrará o curso Luzes e Sombras que Projetamos no Dinheiro: O Jogo do Banco Imaginário, na Associação Palas Athena. Através de um jogo criativo chamado Banco Imaginário (alusão ao Banco Imobiliário), a psicóloga propõe
que lancemos um olhar reflexivo sobre a forma como nos relacionamos com o dinheiro, tanto por um ponto de vista individual como numa esfera coletiva. A ideia é olhar para nossas crenças e valores e questionar a forma como elas surgiram e como se mantêm através das nossas vivências. Dessa maneira, os participantes poderão
tomar consciência sobre o modo como lidam e como gostariam de lidar com o espaço e a função do dinheiro em sua vida. O jogo será a ferramenta que possibilitará aos participantes contemplar alguns padrões de comportamento que mantemos de forma espontânea e se questionarem sobre uma nova forma de lidar com isso. “O objetivo é que deixemos de ser reféns das projeções que criamos para tentar transformar as estruturas da sociedade em que vivemos e lidar com nossa vida financeira de forma mais criativa”, conta a especialista.

26/06/2017 - 09:00

Conecte-se

Revista Bons Fluidos